Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2008

Porto.31.Janeiro.1891

As ideias republicanas surgiram, em Portugal, nos meados do séc. XIX, mas só no tricentenário da morte de Camões  se dá o arranque que levará à Implantação da República, em 5 de Outubro de 1910.
Teófilo Braga, o ideólogo republicano que lançou a ideia das comemorações, diz: “A democracia portuguesa conta com uma data gloriosa, que é o começo de uma nova era: o 10 de Junho de 1880.”
O mesmo afirma Basílio Teles: “Antes dessa data não há história do partido republicano”, mas apenas história da ideia, da aspiração republicana…”
O Ultimato Inglês de 1890 e a onda de patriotismo que gerou, radicalizaram e popularizaram o movimento republicano, sobretudo no Porto. Lembremos a constituição da Liga Portuguesa do Norte, no Porto, logo após o Ultimato, sob a presidência de Antero de Quental. O Porto era, então, o maior centro industrial do país, com um proletariado vivendo em péssimas condições económicas, mas com dirigentes capazes e com grande consciência de classe.
Neste ambiente de exaltação, não é de admirar a impaciência que precipitou a Revolução do Porto (31 de Janeiro de 1891), e que, provavelmente, ditou o seu fracasso.
“Nesse dia, cerca das duas horas e meia duma daquelas manhãs, nevoentas e frias, tão frequentes no Porto durante a estação invernosa, no profundo silêncio da cidade adormecida”… assim começa Basílio Teles, na lúcida análise que é “Do Ultimatum ao 31 de Janeiro – Esboço de História política”, o relato do 31 de Janeiro.
Eram 6 da manhã quando as forças sublevadas (os quartéis de Caçadores 9, Infantaria 10 e Infantaria 18, este último invadido por populares que puseram fim às hesitações quanto à sua adesão), comandadas pelos alferes Malheiro, capitão Leitão e tenente Coelho, se encaminharam para a Praça D. Pedro, posicionando-se frente aos Paços do Concelho.
À frente da coluna, uma banda militar tocava A Portuguesa, de Alfredo Keil.
Santos Cardoso, um dos chefes civis da revolta, içou a bandeira vermelha do “Centro Democrático Federal de 15 de Novembro” no mastro do frontão, apoiado pelos vivas e entusiasmo da multidão. A bandeira vermelha e verde só será adoptada a partir de 1910.
Alves da Veiga, às 7 da manhã, fez o seu discurso, entrecortado pelos aplausos da multidão presente.
A República Portuguesa, um dos dois diários republicanos do Porto, às 4 da manhã, anunciava em “Última hora” o “fim da monarquia de Bragança” e a proclamação da República.
Quando as tropas revoltosas, abandonando a Praça D. Pedro, subiam a Rua de Santo António, foram interceptadas e alvejadas pela Guarda Municipal. Alguns soldados são mortalmente atingidos. O capitão Leitão, apesar de ferido, consegue chegar aos Paços do Concelho e tenta organizar a resistência. Mas o fogo da bateria da Serra do Pilar, a partir dos Lóios e de S. Bento, atinge o edifício municipal, causando grandes estragos.
Por volta das 9 horas, a “noite de sonho, noite de anelo, em que pelo ar espesso perpassou a cândida imagem da liberdade e fulgurou crepitante o clarão sagrado do futuro” (Sampaio Bruno), deu lugar  à dura realidade: a Monarquia não caíra.
Seguiu-se a repressão. Prisões, degredo em África…
Mas a caminhada do Homem prossegue e o sacrifício destes patriotas não foi em vão.
O movimento republicano reorganiza-se e, menos de vinte anos depois, derruba de vez a Monarquia.
publicado por amaroporto2 às 22:45

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.as minhas fotos

.Agosto 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A HISTÓRIA E O VALOR DO C...

. ÉDEN TEATRO

. "A Brasileira" nos Anos 5...

. Betão e Poluição

. O burburinho de mil vidas

. PORTO

. No 170º aniversário do na...

. Porto Sentido

. O Porto há cem anos 1

. A Cidade nos Livros

. Preservar a memória colec...

. Coliseu do Porto tem 70 a...

. A Publicidade em 1959

. Júlio Resende: um portuen...

. Tripas à moda do Porto

. Paços do Concelho da Cida...

. S. JOÃO no PORTO de outro...

. Memórias da cidade

. Porto meu

. A evolução de Darwin

. Fim das Comemorações da R...

. Não me obriguem!

. ALMEIDA GARRETT

. 11 de Janeiro de 2011

. Avenida da Boavista

. CORREIO DA NOITE

. Pelos Caminhos de Antero ...

. Fernando Pessoa

. As regras da sensatez

. Da minha janela...

.arquivos

. Agosto 2016

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds