Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2008

Ver o Porto com Hélder Pacheco

 

Este livro representa o percurso de um portuense atento ao que se passou na sua cidade, disposto a enfrentar os desafios das transformações que nela vão ocorrendo e a assunção da defesa da sua integridade contra os assaltantes do nosso quotidiano. É, se quisermos, uma sucessão de depoimentos pessoais sobre como a passagem dos anos foi sendo vista por uma testemunha implicada nos acontecimentos. Persistência e mudança, perenidade e modificação. Grandeza e miséria, dignidade e servidão, estabilidade e conflito. Eis o espaço em que nos movemos neste universo a que chamamos Porto. Dele se fala e volta a falar. Por ele se insiste. A partir dele se propõe um amanhã que não desminta a História. Sem renunciar ao combate, sem concessões, ao que se desconsidera e rejeita. Sem esquecer o apoio persistente e, quando não, caloroso ao que se aprecia e considera. Com a cidade, pela cidade, em prol da cidade. Nos bons e nos maus momentos. Sempre. Porque a cidade, como todo o grande amor, ama-se sem perder tempo a justificar porquê. Apenas porque sim, já que as justificações remeteriam para o mar das infâncias, o turbilhão das emoções e dos sentimentos, o tropel dos vivos e dos mortos. Para o grande Segredo, o grande Silêncio, o grande Mistério.
Hélder Pacheco, Ver o Porto
publicado por amaroporto2 às 11:14

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.as minhas fotos

.Agosto 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A HISTÓRIA E O VALOR DO C...

. ÉDEN TEATRO

. "A Brasileira" nos Anos 5...

. Betão e Poluição

. O burburinho de mil vidas

. PORTO

. No 170º aniversário do na...

. Porto Sentido

. O Porto há cem anos 1

. A Cidade nos Livros

. Preservar a memória colec...

. Coliseu do Porto tem 70 a...

. A Publicidade em 1959

. Júlio Resende: um portuen...

. Tripas à moda do Porto

. Paços do Concelho da Cida...

. S. JOÃO no PORTO de outro...

. Memórias da cidade

. Porto meu

. A evolução de Darwin

. Fim das Comemorações da R...

. Não me obriguem!

. ALMEIDA GARRETT

. 11 de Janeiro de 2011

. Avenida da Boavista

. CORREIO DA NOITE

. Pelos Caminhos de Antero ...

. Fernando Pessoa

. As regras da sensatez

. Da minha janela...

.arquivos

. Agosto 2016

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds