Sexta-feira, 28 de Setembro de 2007

A CASA DO CABIDO

Sábado, 19 de Maio de 2007
 

A Casa do Cabido (conjunto dos cónegos que, entre outras funções, ajudam o bispo no governo da sua diocese) do Porto foi construída no séc. XVI, ao lado da Catedral, por iniciativa do bispo D. Frei Marcos de Lisboa (1582/91). Alguns séculos antes, os cónegos, segundo os costumes eclesiásticos do tempo, viviam em comunidade com o bispo, num pequeno paço-mosteiro que com ele partilhavam. No tempo do bispo D. Martinho Pires (1186/89) e após as reformas, por ele introduzidas na organização do Cabido, os cónegos portuenses abandonaram a vida comunitária e a observância da regra de Santo Agostinho, passando a viver secularmente. Mais tarde, construíram a sua própria casa, para administração das rendas do Cabido e para as suas próprias reuniões e actividades eclesiásticas.
Em 1708, após o falecimento do bispo D. Frei José de Santa Maria de Saldanha (1697/1708), o Cabido, argumentando que essa casa já não se ajustava às necessidades de então, mandou demoli-la. As obras da nova Casa do Cabido só começaram, contudo, em 1717, quando se iniciou um longo período de “sede vacante” na diocese do Porto (1717/41), embora se tenha respeitado o projecto elaborado, em 1709, pelo arquitecto João Pereira dos Santos. Foi conservada, no entanto, parte da antiga casa, sendo apenas demolida alguns anos mais tarde, quando Nicolau Nasoni construiu a escadaria de acesso ao claustro superior da Sé.
O edifício da actual Casa do Cabido é uma construção rectangular anexa ao lado esquerdo da Sé e tem 3 pisos. O primeiro, previsto inicialmente para nele se instalarem os celeiros do Cabido (onde os cónegos guardavam o trigo e o milho que recebiam das suas rendas), divide-se em 4 compartimentos, comunicantes entre si, cobertos de abóbadas de berço. O segundo piso tem planta semelhante e com 5 aposentos, cada um com a sua janela de peitoril. Neste piso será instalado o tesouro da Sé. O terceiro piso é o andar nobre do edifício e tem 3 compartimentos: o antecabido (ao cimo da escadaria que vem do claustro gótico), o cartório e a sala capitular, sem dúvida a melhor divisão da Casa, com rodapés de azulejos representando cenas mundanas e de caça, colocados em 1719/20 por João Neto da Costa. Ao centro da parede fronteira às 3 janelas desta sala, há um retábulo dourado, atribuído a Luís Pereira da Costa, no qual se vê a imagem de Cristo crucificado, pintada por Domingos Rocha. O retábulo é flanqueado por duas portas falsas, ornamentais, que, tal como as duas verdadeiras e as janelas, têm ombreiras de lousa e mármore róseo e sanefas de talha.
O tecto da sala do capítulo é de masseira, com caixotões de talha dourada, exibindo pinturas alegóricas, de estilo maneirista, e figuras de santos. Ao centro, um quadro representa o arcanjo S. Miguel esmagando o demónio (emblema simbólico do Cabido). Estas telas foram pintadas pelo italiano Giovanni Battista Paschini.
O cartório conserva nas paredes os azulejos setecentistas, da autoria de António Vital Rifarto, mais recentes que os da sala capitular. Nesta sala, guarda-se uma imagem em madeira, representando o Anjo da Guarda, esculpida em 1725, e que esteve, anteriormente, na nave da Sé, junto ao baptistério.

Túmulo do bispo D. Martinho Pires
 
publicado por amaroporto2 às 21:00

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.as minhas fotos

.Agosto 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A HISTÓRIA E O VALOR DO C...

. ÉDEN TEATRO

. "A Brasileira" nos Anos 5...

. Betão e Poluição

. O burburinho de mil vidas

. PORTO

. No 170º aniversário do na...

. Porto Sentido

. O Porto há cem anos 1

. A Cidade nos Livros

. Preservar a memória colec...

. Coliseu do Porto tem 70 a...

. A Publicidade em 1959

. Júlio Resende: um portuen...

. Tripas à moda do Porto

. Paços do Concelho da Cida...

. S. JOÃO no PORTO de outro...

. Memórias da cidade

. Porto meu

. A evolução de Darwin

. Fim das Comemorações da R...

. Não me obriguem!

. ALMEIDA GARRETT

. 11 de Janeiro de 2011

. Avenida da Boavista

. CORREIO DA NOITE

. Pelos Caminhos de Antero ...

. Fernando Pessoa

. As regras da sensatez

. Da minha janela...

.arquivos

. Agosto 2016

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds