Quarta-feira, 15 de Agosto de 2012

O burburinho de mil vidas

 
 

Deus criou o mundo em Vila Nova de Gaia, numa tarde quente de Maio em 1930. E eu, quando uns quatro anos depois, comecei a observar conscientemente a Sua criação, não o fiz como seria de esperar, apenas com os olhos que Ele me tinha dado à nascença, mas quase exclusivamente através dum binóculo.

[…]

Num encanto que permanecerá, maravilho-me com o panorama do rio e da cidade.

Nem a baía de Guanabara, nem Nova Iorque vista do avião ao anoitecer, nenhum Paris, nenhuma Roma, a Amazónia, as Pirâmides, o deserto, nada disso que viria depois e é grandioso, me deixou uma impressão tão viva e duradoura como a da paisagem que se avistava das janelas da casa onde nasci.

Mais tarde dei-me conta de que a razão profunda do meu fascínio não era tanto a inegável beleza da vista, mas o facto de dali, como defronte dum gigantesco ecrã tridimensional, poder testemunhar do burburinho de mil vidas.

Para oriente, os meus olhos alcançavam até ao longe dos altos de Campanhã, as Fontainhas e, espreitando por entre o arco da ponte, as entradas dos dois túneis do caminho de ferro. Na linha superior era um constante passar de comboios. Na outra, muitos metros abaixo, apenas de vez em quando aparecia uma locomotiva a puxar lentamente vagões de mercadorias que desapareciam sob a cidade, a caminho do cais da Alfândega.

Na ponte de cima era o vaivém de eléctricos amarelos, camionetas de carreira, camiões, automóveis, grupos de gente.

Sem eléctricos e de curvas apertadas a cada extremo, a ponte de baixo era mais sossegada, com o seu trânsito de carrejões, vareiras, leiteiras e padeiras, carvoeiros, carros de bois.

De longe a longe um camião com pipas, um táxi com pressa, mas buzinar não adiantava, porque quem ia pesado de carregos caminhava pelo meio do tabuleiro, sem ceder um palmo.

Eu via os carros, via as trouxas. Via mais longe as mulheres da carqueja, curvadas sob molhos incríveis, subindo dos barcos “rabelos” para o cais e, Calçada da Corticeira acima, aos rodeios, com uma lentidão e persistência de insectos. A Calçada da Corticeira, ruim de subir, ruim de descer, tão íngreme que parecia um traço quase vertical na encosta.

Nos Guindais a muralha ligava-se por degraus ao rio e aí atracavam às dezenas “rabelos” e “valboeiros”, os homens do leme correndo descalços sobre a gaiola, os outros atentos ao manejar dos remos e do cordame das velas, na manobra perigosa em que simultaneamente tinham de lutar contra as forças contrárias do vento e da água.

Por vezes acontecia ser o barco apanhado num redemoinho. Ouviam-se gritos. Pessoas corriam pela ponte e pelos cais, pressentindo a tragédia, desatinadas por não poderem acudir. As velas caíam num ápice. Dois ou três homens subiam ágeis a ajudar o timoneiro, juntavam o seu peso ao dele e, carregando na ponta, conseguiam levantar da água a trave do leme. Assim evitavam que a força do rodopiar o quebrasse, mas o perigo continuava igual.

Ao longo dos cais mulheres caíam de joelhos, homens desbarretavam-se em oração, pedindo misericórdia, implorando a Deus para que se apiedasse daqueles pobres em tamanho perigo. À deriva numa corrente tão forte, só a força divina impediria que o barco se fosse espatifar contra um molhe ou o casco de ferro dalgum cargueiro. E milagre, fleugma, ou ciência das coisas do rio, na fracção de momento em que o barco parecia hesitar na sua louca corrida, o leme caía na água, as velas levantavam-se como por si só, o corpo retesado dos homens compensava a força que fazia curvar os remos na travagem. Besta domada, obediente à vontade de quem a mandava, a embarcação ia aos poucos ganhando a margem, até que alguém atirava um cabo e finalmente a prendiam ao cais.

As pessoas ficavam ainda um momento a olhar, a assegurar-se de que já não havia perigo, a dizer-se palavras de conforto. Passada a aflição desfaziam-se os grupos e carregando o seu fardo ia cada um ao seu destino.

Nas casas da Ribeira, estendidas pelo muro, tudo era quietude. Por sobre elas, nos jardins do convento dos Grilos, passeavam em longas filas os seminaristas vestidos de negro. Mais acima, pesados e grandes, o palácio do bispo e a sé. Mas entre as casas e o rio os meus olhos não chegavam para abarcar o tumulto de tanto povo. Uns em correrias desencontradas, outros atarefados na descarga dos barcos, lavadeiras ajoelhadas a esfregar a roupa no cais, ou batendo-a sem dó contra a cantaria dos degraus.
 
 

Devido à curva do rio, do lado do Porto o panorama terminava nos arredores do Palácio de Cristal, mas o resto conhecia-a eu tão bem que me bastava querer e “via” a barra, o mar, os estaleiros do Lordelo, as traineiras ancoradas defronte da Afurada.

Na margem sul, a nossa, a trajectória dos olhos era breve: começava na igreja redonda da Serra do Pilar, descia para os telhados dos armazéns de vinho, o convento das freiras, e ia parar nas árvores seculares da quinta de Campo Belo.

Mas de tudo o que eu via da janela, o que mais me encantava era o rio. Então a barra ainda era funda, entravam por ela enormes cargueiros, tantos que às vezes ficavam atracados dois a dois, desde o Lordelo até à ponte. E porque na margem de Gaia não havia cais, a carga era morosa e pitoresca.

As pipas, os fardos, os caixotes, rolavam pelas pranchas ou levavam-nos os homens da estiva à cabeça para as barcaças, que iam acostar aos navios. Os guinchos funcionavam a vapor e ao içar a mercadoria, ou quando a baixavam para os porões, saía deles silvando um longo penacho de fumo.

Tudo era princípio, novidade. Pedagogo nato, o avô sussurrava-me os nomes das ruas, dos lugares, dos objectos, dos navios, dos países, ordenando e colorindo a realidade que eu ainda não podia interpretar. Quase por inteiro são suas as descrições das tragédias do rio, dos barcos a redemoinhar nas águas turbulentas, da violência dos ciclones.

A paisagem era o filme, ele o comentador, e para me agradar apressava-se de volta a casa depois do trabalho, eu à espera ao cimo das escadas, ansioso por acompanhar a continuação da história do mundo.

 

J. Rentes de Carvalho, Ernestina

publicado por amaroporto2 às 17:03

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.as minhas fotos

.Agosto 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A HISTÓRIA E O VALOR DO C...

. ÉDEN TEATRO

. "A Brasileira" nos Anos 5...

. Betão e Poluição

. O burburinho de mil vidas

. PORTO

. No 170º aniversário do na...

. Porto Sentido

. O Porto há cem anos 1

. A Cidade nos Livros

. Preservar a memória colec...

. Coliseu do Porto tem 70 a...

. A Publicidade em 1959

. Júlio Resende: um portuen...

. Tripas à moda do Porto

. Paços do Concelho da Cida...

. S. JOÃO no PORTO de outro...

. Memórias da cidade

. Porto meu

. A evolução de Darwin

. Fim das Comemorações da R...

. Não me obriguem!

. ALMEIDA GARRETT

. 11 de Janeiro de 2011

. Avenida da Boavista

. CORREIO DA NOITE

. Pelos Caminhos de Antero ...

. Fernando Pessoa

. As regras da sensatez

. Da minha janela...

.arquivos

. Agosto 2016

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds