Domingo, 7 de Outubro de 2007

Pedro Abrunhosa

Sábado, 4 de Agosto de 2007
 
 
Quem Me Leva Os Meus Fantasmas

 

Aquele era o tempo

Em que as mãos se fechavam

E nas noites brilhantes as palavras voavam,

Eu via que o céu me nascia dos dedos
E a Ursa Maior eram ferros acesos.
Marinheiros perdidos em portos distantes,
Em bares escondidos,
Em sonhos gigantes.
E a cidade vazia,
Da cor do asfalto,
E alguém me pedia que cantasse mais alto.

 

Quem me leva os meus fantasmas,
Quem me salva desta espada,
Quem me diz onde é a estrada?

 

Aquele era o tempo
Em que as sombras se abriam,
Em que homens negavam
O que outros erguiam.
E eu bebia da vida em goles pequenos,
Tropeçava no riso, abraçava venenos.
De costas voltadas não se vê o futuro
Nem o rumo da bala
Nem a falha no muro.
E alguém me gritava
Com voz de profeta
Que o caminho se faz
Entre o alvo e a seta.

 

Quem leva os meus fantasmas,
Quem me salva desta espada,
Quem me diz onde é a estrada?

 

De que serve ter o mapa
Se o fim está traçado,
De que serve a terra à vista
Se o barco está parado,
De que serve ter a chave
Se a porta está aberta,
De que servem as palavras
Se a casa está deserta?

 

Quem leva os meus fantasmas,
Quem me salva desta espada,
Quem me diz onde é a estrada?

 

Letra e música: Pedro Abrunhosa (Um portuense dos bons!!!)

Álbum: LUZ

publicado por amaroporto2 às 22:15

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.as minhas fotos

.Agosto 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A HISTÓRIA E O VALOR DO C...

. ÉDEN TEATRO

. "A Brasileira" nos Anos 5...

. Betão e Poluição

. O burburinho de mil vidas

. PORTO

. No 170º aniversário do na...

. Porto Sentido

. O Porto há cem anos 1

. A Cidade nos Livros

. Preservar a memória colec...

. Coliseu do Porto tem 70 a...

. A Publicidade em 1959

. Júlio Resende: um portuen...

. Tripas à moda do Porto

. Paços do Concelho da Cida...

. S. JOÃO no PORTO de outro...

. Memórias da cidade

. Porto meu

. A evolução de Darwin

. Fim das Comemorações da R...

. Não me obriguem!

. ALMEIDA GARRETT

. 11 de Janeiro de 2011

. Avenida da Boavista

. CORREIO DA NOITE

. Pelos Caminhos de Antero ...

. Fernando Pessoa

. As regras da sensatez

. Da minha janela...

.arquivos

. Agosto 2016

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds