Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008

Aos 100 anos, Manoel de Oliveira pelo olhar dos outros... III

 

 

Nas escadas da PIDE
 
Conheço Manuel de Oliveira desde sempre, isto é, desde que vi o seu maravilhoso Aniki-Bobó e esse genial documentário que é A Caça, tendo acompanhado pela vida fora a sua pessoalíssima produção monumental. Mas o primeiro encontro em carne e osso deu-se numa madrugada fria dos começos de Dezembro de 1963, ia eu a subir e ele a descer as escadas da PIDE, ambos acompanhados por agentes daquela polícia.
Olhámos um para o outro e esboçámos um sorriso de circunstância. Ao olhar observador de Manoel de Oliveira não escapou um pormenor, eu trazer ainda os atacadores dos sapatos.
Vinha ele de um interrogatório e ia eu para outro. Estávamos “alojados” nos curros do Aljube, em condições infra-humanas. Manoel de Oliveira apenas fizera resistência moral ao regime, estava preso praticamente por equívoco e poucos dias depois saía em liberdade, com bem más recordações da tortura do sono e da exiguidade do cárcere. Eu era acusado de pertencer ao Partido Comunista e às Juntas de Acção Patriótica, às quais de facto pertencia, mas neguei tudo obstinadamente e continuei ainda por algum tempo na frialdade do Aljube.
Alguns anos depois do 25 de Abril, Manoel de Oliveira procurou-me e quis reconstituir, na medida do possível, aquele episódio, na escadaria da PIDE, para o inserir no filme das suas memórias, belíssimo documento cinematográfico que mais tarde vi, a seu lado, em sessão especial, apenas para alguns amigos íntimos.
Ainda pensámos numa colaboração futura, que os acasos da vida frustraram.
Vejo sempre os seus filmes com paixão cinéfila e com um muito especial afecto de antigo companheiro de desventuras.
 
Urbano Tavares Rodrigues
in Jornal de Letras, Artes e Ideias
[3-16 Dezembro 2008]
 

 

publicado por amaroporto2 às 13:54

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 13 de Dezembro de 2008

Aos 100 anos, Manoel de Oliveira pelo olhar dos outros... II

 

 

OLIVEIRA E CAMILO

Nunca a entrega à Arte vem sozinha. Quando assisti, nos idos de 1978 (Dezembro), em Florença, à estreia mundial de “O Amor de Perdição”, fervia-me dentro o deslumbramento camilianista e a memória da jóia chamada “Aniki-Bobó”. Estava preparado para a adaptação (um risco) duma obra excepcional da Literatura e de gostar ou condenar. Depois, era emocionante a homenagem a Mestre Manoel de Oliveira. Aquilo que aconteceu foi o seguinte: vi uma obra-prima transformar-se noutra obra-prima, agora recriada e revelada por um realizador de génio e por actores exemplares, que conseguiam transmitir poesia e tragédia. E vi uma sala repleta aplaudir de pé. Na Itália -mundo maravilhoso-, tem sabor especial. E deixa uma impressão indelével.  

Manuel Poppe

 

publicado por amaroporto2 às 16:37

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 11 de Dezembro de 2008

Aos 100 anos, Manoel de Oliveira pelo olhar dos outros... I

 

 

Agustina Bessa-Luís:
Eu aparento Manoel de Oliveira àqueles poetas saudosos que tivemos: Bernardim foi um deles, outro o cavaleiro Francisco Manuel de Melo. Vou dizer porquê. Porque em todos há mais uma determinação de fazer obra sua, do que voz do mundo. E fazer das histórias fatais, peregrinas fantasias.
 
João Mário Grilo:
Creio que o Oliveira está sempre a olhar para a frente e, consequentemente, nos faz olhar a nós na mesma direcção, como acontecia com o Eisenstein ou, na poesia com Baudelaire.
 
José-Augusto França:
Quinto Império ou Non ou a Vã Glória de Mandar, Portugal passa, em seus mitos, desgraças e inquietações, em obras que o definem, ou nos definem a nós, incertos portugueses buscando utopias – nos Portos da nossa infância…
 
Rodrigues da Silva:
Oliveira, esteticamente, nunca se satisfez, nem nunca se repetiu; demonstrou sempre ser um amante da eterna pesquisa, da eterna experiência, jamais adoptando receitas, o que faz dele um criador anti-académico por excelência.
 
in Jornal de Letras, Artes e Ideias
[3-16 Dezembro 2008]

 

publicado por amaroporto2 às 08:54

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Setembro de 2008

Manuel de Oliveira

 

 

Serralves e Oliveira

 

1. Está patente, na Casa de Serralves, até 2 de Novembro, uma exposição de homenagem a Manoel de Oliveira, É oportuna e justa - o grande realizador completará 100 anos, a 12 de Dezembro próximo. Merece todas as homenagens, não porque se aproxime o centenário em vida - e, ironicamente, sublinha que não é culpa sua e agradece ao destino - mas sim pela obra única que ergueu. De facto, Manoel de Oliveira não tem idade. Desde os anos em que convivemos mais de perto em Itália (e não esqueçam que "O amor de perdição" teve estreia mundial em Florença, Dezembro de 1978) até hoje, habituei-me a admirar e ouvir um homem jovem, lúcido e um criador a quem as coisas acontecem naturalmente - como se viessem ter com ele. Homem simples e franco, a sua sensibilidade complexa e o seu amor à beleza atraíram o respeito e admiração. Todos sabemos que a Itália - a crítica de cinema italiana -, na Bienal de Veneza de 1976, ajudou a que se abrissem as portas do reconhecimento internacional, desde aí sempre crescente. Manoel de Oliveira nunca esqueceu. E agora mesmo, a Bienal de Veneza lhe confirmou a estima, recebendo, com entusiasmo e carinho, três curtas metragens inéditas, tendo estado uma delas, "Do visível ao invisível", na inauguração do festival.

 

2. A obra de Oliveira impôs-se e, hoje, emparceira com a dos maiores realizadores de sempre. O cinema português, quando estudado, deverá referir-se ao antes e ao depois de "Douro, faina fluvial".

Leitor, é bom admirar.

 

Manuel Poppein "O Outro Lado",

Jornal de Notícias, 7.Set.2008 

 

 

publicado por amaroporto2 às 10:09

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Julho de 2008

Manuel António Pina põe os pontos nos ii

 PORTO. Cadeia da Relação, Sede do Centro Português de Fotografia

 

 

Queres Dreyer? Ora toma!

 

Há uns tempos, um fogoso dirigente do BE "de cuyo nombre no quiero acordarme" estranhava o facto de o Centro Português de Fotografia ter sede no Porto e queixava-se melancolicamente de que, desse modo, "os" investigadores tinham que deslocar-se ao…Porto. Isto porque, como é sabido, "os" investigadores habitam as Avenidas Novas, sendo espécie que não procria para lá das portagens de Sacavém.

 

Acontece o mesmo com os cinéfilos. Nas berças não há ninguém capaz de apreciar devidamente Griffith, Bresson, Ozu, Dreyer ou Rosselini, a não ser algum lisboeta em vilegiatura. Ou, se há, é por capricho da natureza. No Porto, como no resto do país, gosta-se é de Spielberg. Justifica-se, pois, que os contribuintes de todo o país paguem uma Cinemateca dedicada a satisfazer em exclusivo os refinados gozos cinéfilos dos lisboetas. Depois, como poderiam frágeis bobinas de celulóide atravessar desertos e monções para serem mostrados a bosquímanos boquiabertos? Daí que tenha que se dar razão a Bénard da Costa: se os portuenses querem uma Cinemateca, peçam ao dr. Rui Rio e ao La Feria que lhes arranjem uma.
in Jornal de Notícias [09 Julho 2008]
publicado por amaroporto2 às 16:03

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.as minhas fotos

.Agosto 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Aos 100 anos, Manoel de O...

. Aos 100 anos, Manoel de O...

. Aos 100 anos, Manoel de O...

. Manuel de Oliveira

. Manuel António Pina põe o...

.arquivos

. Agosto 2016

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds