Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Amar o PORTO +

"Não há futuro sem memória. Sem enraizamento e sem memória, os povos, como os homens, são apenas náufragos." Manuel António Pina

Amar o PORTO +

"Não há futuro sem memória. Sem enraizamento e sem memória, os povos, como os homens, são apenas náufragos." Manuel António Pina

Teatro da Serra do Montemuro no Porto

04.02.08, amaroporto2

 

Por sugestão duma pessoa amiga, desloquei-me ao Teatro Sá da Bandeira, no passado dia 26 de Janeiro, para assistir à representação de “AMOR”, pelo Teatro Regional da Serra do Montemuro.
Fui agradavelmente surpreendida pela qualidade deste grupo. Num estilo rural e contra a corrente, contou uma história comovente de vários amores, num tom tranquilo e sereno, que me descansou do “ruído” do meu quotidiano citadino.
A melhor homenagem que posso prestar-lhes é divulgar a sua génese e os objectivos que perseguem.
 
 
O Teatro Regional da Serra de Montemuro nasceu em 1990, produto do encontro entre artistas locais, nacionais e internacionais, na pequena aldeia de Campo Benfeito, alto da Serra de Montemuro.
Uma das características principais da companhia em termos artísticos é a sua forte aposta na criação de textos originais, inspirados no mundo à sua volta. As peças são concebidas num processo colectivo que une actores, escritores, encenadores, cenógrafos e compositores na criação destes espectáculos.
O teatro do TRSM inspira-se na cultura popular, desde as máscaras de Lazarim até aos Santos Populares, Lendas, e do cinema mudo até ao Fado, sem nunca criar espectáculos “fáceis” ou condescendentes.
É um teatro contemporâneo, com as suas raízes fortemente assumidas no meio rural e com a sua actividade em todo o território nacional e cada vez mais no palco Europeu.
O que mais distingue o Teatro do Montemuro em termos artísticos é a entrega e energia dos seus actores.
O seu estilo de representação é física e emocionalmente desgastante para os actores que impressionam pela sua união em palco, pela sua capacidade de desdobramento de personagens e pela sua forte presença.
Objectivos
Criar teatro do meio rural, no meio rural e para o meio rural. Celebrar e promover a cultura rural como componente fundamental da cultura nacional e como parceiro da cultura urbana.
Criar novos públicos, nomeadamente no meio rural e junto das comunidades mais distanciadas do teatro quer por motivos geográficos, sociais, culturais e económicos.
Inovar a nível cénico e desenvolver uma linguagem contemporânea, de novas obras teatrais e de métodos de formação específicos à realidade do meio rural Português no século XXI.
Promover o entendimento, a empatia e a boa imagem das duas partes da comunidade do Montemuro, ou seja, os residentes permanentes e os ocasionais (ex.: emigrantes).
Sensibilizar o poder e as instituições locais e regionais, nomeadamente as autarquias da zona de intervenção do TRSM, no sentido da valorização do teatro em particular e das actividades culturais em geral.
Criar, manter e desenvolver estruturas sustentáveis de criação, administração e gestão que permitam um crescimento natural.

 

 

O Teatro de Montemuro realiza, todos os anos em Agosto, o Festival Altitudes, que este ano (2008) acontecerá entre os dias 9 e 17. Talvez valha a pena ir até lá. Experimente!
Deixo também os contactos:
TEATRO DO MONTEMURO
Travessa Principal, nº 1
Campo Benfeito
3600-371 GOSENDE
Telefone: 254 689 352
Fax: 254 689 488
 montemuro@mail.telepac.pt          
*****************************************************
 
P.S. Fiquei triste pelo estado em que está o edifício do Teatro Sá da Bandeira. O seu interior é muito bonito, o Teatro tem uma história rica, como é visível pelos inúmeros vestígios, lá expostos, de grandes êxitos do passado. Não posso dizer que esteja completamente degradado, mas vi pedaços do damasco que cobre as paredes descolados, o tecto não me pareceu em muito bom estado e senti um certo cheiro a velho. Não sei quem são os proprietários, mas penso que é mais fácil conservar do que refazer depois as ruínas. E se apostarem em espectáculos de qualidade, os portuenses estarão presentes. Começo a ver os “tripeiros”  a mexer, a defender o seu património. Só que não basta abaixo-assinados, depois. É necessário contribuir para o sucesso dos empreendimentos, antes. Será assim tão difícil deixar o sofá ou o Centro Comercial?