Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Amar o PORTO +

"Não há futuro sem memória. Sem enraizamento e sem memória, os povos, como os homens, são apenas náufragos." Manuel António Pina

Amar o PORTO +

"Não há futuro sem memória. Sem enraizamento e sem memória, os povos, como os homens, são apenas náufragos." Manuel António Pina

Manuel António Pina põe os pontos nos ii

09.07.08, amaroporto2

 PORTO. Cadeia da Relação, Sede do Centro Português de Fotografia

 

 

Queres Dreyer? Ora toma!

 

Há uns tempos, um fogoso dirigente do BE "de cuyo nombre no quiero acordarme" estranhava o facto de o Centro Português de Fotografia ter sede no Porto e queixava-se melancolicamente de que, desse modo, "os" investigadores tinham que deslocar-se ao…Porto. Isto porque, como é sabido, "os" investigadores habitam as Avenidas Novas, sendo espécie que não procria para lá das portagens de Sacavém.

 

Acontece o mesmo com os cinéfilos. Nas berças não há ninguém capaz de apreciar devidamente Griffith, Bresson, Ozu, Dreyer ou Rosselini, a não ser algum lisboeta em vilegiatura. Ou, se há, é por capricho da natureza. No Porto, como no resto do país, gosta-se é de Spielberg. Justifica-se, pois, que os contribuintes de todo o país paguem uma Cinemateca dedicada a satisfazer em exclusivo os refinados gozos cinéfilos dos lisboetas. Depois, como poderiam frágeis bobinas de celulóide atravessar desertos e monções para serem mostrados a bosquímanos boquiabertos? Daí que tenha que se dar razão a Bénard da Costa: se os portuenses querem uma Cinemateca, peçam ao dr. Rui Rio e ao La Feria que lhes arranjem uma.
in Jornal de Notícias [09 Julho 2008]

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.