Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Amar o PORTO +

"Não há futuro sem memória. Sem enraizamento e sem memória, os povos, como os homens, são apenas náufragos." Manuel António Pina

Amar o PORTO +

"Não há futuro sem memória. Sem enraizamento e sem memória, os povos, como os homens, são apenas náufragos." Manuel António Pina

A CAPELA DAS VERDADES

04.10.07, amaroporto2

Sábado, 9 de Junho de 2007

 

Porto Antigo: Arco das Verdades

 

*********************

 
Ao fundo da Rua de D. Hugo, quase oculta pela imensidão do palácio dos bispos, fica a Capela de Nossa Senhora das Verdades. É um modesto templo rectangular, sóbrio, cujo valor assenta, essencialmente na sua antiguidade e na história a que está ligado.
Pouco depois da demolição da Porta das Verdades (chamada, primeiramente, das Mentiras), uma das quatro aberturas da muralha primitiva (a que dava acesso à zona do Barredo e da Ribeira, no tempo em que a cidade ainda não se tinha estendido até ao rio), o cónego Domingos Gonçalves Prada, que residia na Rua de D. Hugo (e que então se chamava Rua de Trás da Sé), comprou umas casas vizinhas e construiu à sua custa uma capela, no decurso do séc. XIV, para substituir o nicho que existia sobre a Porta demolida e na qual se encontrava a imagem da Virgem, sua padroeira.
 O pequeno templo degradou-se e foi reconstruído em 1697. Durante o Cerco do Porto (1832-34), a capela foi bastante danificada pela artilharia dos Miguelistas, instalados na Serra do Pilar (Gaia), donde visavam a bateria dos Liberais, colocada no pátio do Paço Episcopal.
Acabada a guerra civil, a capela voltou a ser restaurada, em 1834, por D. Ângela Jácomo do Lago Moscoso, como se lê numa inscrição existente na capela.
A ruína e a destruição tomaram, de novo, conta da capelinha, até que a Câmara Municipal a comprou, toda em ruínas, aos seus proprietários de então, em 1950, e a mandou restaurar.
O altar desta capela foi feito com a aproveitamento de talhas do séc. XVII e é composto por várias colunas torcidas, decoradas com parras, querubins e aves. Essas pinturas, em madeira e também do mesmo século, representam S. Domingos, S. José, S. João Evangelista e Nossa Senhora da Rosa.
No nicho principal (sobre o qual figura o monograma de Cristo, IHS, entre duas palmas, encimado por uma coroa e sustentado por dois anjos) abriga-se a referida imagem de Nossa Senhora das Verdades, em calcário de Coimbra, de belas linhas escultóricas e anterior ao séc. XIV. Uma das particularidades desta bonita imagem, para além da sua antiguidade, é a de mostrar a Virgem com o Menino, não ao colo como é habitual, mas colocado de frente.