Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Amar o PORTO +

"Não há futuro sem memória. Sem enraizamento e sem memória, os povos, como os homens, são apenas náufragos." Manuel António Pina

Amar o PORTO +

"Não há futuro sem memória. Sem enraizamento e sem memória, os povos, como os homens, são apenas náufragos." Manuel António Pina

A PONTE DA ARRÁBIDA

10.10.07, amaroporto2
Segunda-feira, 27 de Agosto de 2007
 
Em Março de 1952 foi adjudicada pela Junta Autónoma de Estradas ao Professor Edgar António de Mesquita Cardoso, nascido no Porto a 11 de Maio de 1913 e falecido a 5 de Julho de 2000, a elaboração de anteprojectos para a ponte rodoviária.
A Ponte da Arrábida, vão de 270 m, foi durante algum tempo o recorde mundial para pontes em arco de betão armado. A flecha do arco é de 52 m e o tabuleiro eleva-se a 70m acima do nível médio das águas.
A construção estendeu-se de Maio de 1957 até 22 de Junho de 1963, dia em que foi inaugurada, por altura das festas do S. João. Pela primeira vez, então, o Telejornal é emitido a partir dos estúdios do Monte da Virgem.
 
                        
Eng. EDGAR  CARDOSO                     Américo Tomás (1)
 
 
No dia anterior, o Almirante Américo Tomás, ao tempo Presidente da República, discursava assim no Palácio da Bolsa:
 
“ (…) Vim inaugurar a Ponte da Arrábida, a obra deste século que mais apaixonou o coração dos portuenses (…). A Ponte da Arrábida não é só uma obra magnífica para a cidade. É uma obra de magnífica técnica, que se deve a engenheiros e técnicos portugueses e, um Chefe de Estado não pode ser indiferente a essa circunstância e se em alguma ocasião o orgulho lhe é permitido, nesta indubitavelmente que o é”.
 
Vejam a Ponte, no dia 18 de Agosto, a partir do Palácio de Cristal: LINDA!!!

************************

(1) Esclarecimento: foi citada uma parte do discurso e publicada a fotografia do Presidente da República de então, porque não devo, nem quero, omitir factos do nosso passado colectivo. Por mais contrária que tenha sido ao regime derrubado em 25 de Abril de 1974, procurarei ser, sempre, tão fiel à verdade dos factos, como aos meus ideais de democrata de esquerda.