Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Amar o PORTO +

"Não há futuro sem memória. Sem enraizamento e sem memória, os povos, como os homens, são apenas náufragos." Manuel António Pina

Amar o PORTO +

"Não há futuro sem memória. Sem enraizamento e sem memória, os povos, como os homens, são apenas náufragos." Manuel António Pina

Aniversário da Ponte Luís I

01.11.07, amaroporto2

31 de Outubro de 2007

 

A Ponte D. Luís, sobre o rio Douro, lançada entre o morro granítico da Sé (Porto) e a escarpa fronteira da Serra do Pilar (Gaia), foi projectada pelo engenheiro Teófilo Seyrig, discípulo e colaborador de Gustave Eiffel. A construção, posta a concurso em 1880, foi adjudicada, em 1881, à Sociedade Willebroeck, de Bruxelas. 
Construída ao lado da antiga Ponte Pênsil, que substituiu, é constituída por 2 tabuleiros metálicos, sustentados por um imponente arco de ferro e por 5 pilares. Tem de comprimento cerca de 395m e de largura 8m, sendo 5,5 de faixa de rodagem e 1,25 de passeios. Custou 403 contos e, na sua construção, gastaram-se 3.045.000 kg de aço. A ponte ficou iluminada por 40 artísticos candeeiros de gás.
Permitindo a passagem da Estrada Real que ligava Lisboa ao Norte do País, foi uma das obras de maior envergadura, no plano rodoviário, do reinado de D. Luís.
Exemplo representativo da “arquitectura do ferro”, a nova ponte, verdadeira filigrana de ferro, passou a ser (juntamente com a Torre dos Clérigos) o ex-libris por excelência da cidade do Porto.

  

Em 2 de Agosto de 2005, o METRO passou pela primeira vez sobre a ponte, numa viagem experimental. Tiveram de ser feitas obras de adaptação e reforço para que o tabuleiro superior da ponte pudesse ser utilizado pelo Metro do Porto.
 

 

Foi precisamente, há 121 anos, no dia 31 de Outubro de 1886 (dia do aniversário natalício do rei D. Luís), que se inaugurou o tabuleiro superior da ponte, estando presentes, para além das autoridades governamentais, as autoridades municipais, administrativas e religiosas da cidade do Porto e de Vila Nova de Gaia.